20 de setembro de 2008

ponto crucial

Eu já pensei em escrever sobre coisas importantes. A partir daí, eu parei pra pensar o que realmente seria importante. O que era importante pra mim hoje talvez não fosse daqui há uma semana. Então seria melhor falar sobre coisas muito importantes que o seriam pro resto da minha vida. Mas isso não signica que seriam importantes pra mim agora. O que é importante pra mim também talvez não fosse importante pra um urso polar ou pra tartarugas marinhas. Talvez não fosse importante pro presidente da república nem pra comunidade científica internacional. O que seria importante pra mim, talvez não o fosse pra Obama nem pra um homem-bomba palestino. Assistir pica-pau por exemplo, de vez em quando, é importante pra mim. Fazer as coisas que quero, do jeito que eu quero, na hora que quero, também é importante pra minha saúde mental, mas nem sempre isso é possível. Talvez por isso eu tenha o hábito nocivo de escrever de madrugada, porque minha necessidade de conceder liberdade ao meu cérebro pra que ele se pronuncie da forma como poucas vezes se sente à vontade para se pronunicar é nesse horário. Eu acho que preservar a vida de um peixe de aquário seja importante, embora para outros cometer chacinas seja coisa banal. É importante pra mim dormir bastante. Sinto-me melhor assim. Mas não vou culpar quem é viciado em trabalhar. É importante pra mim falar o que penso porque talvez seja a única maneira existente pra se liberar o conteúdo mental. É importante pra mim fazer as coisas no meu ritmo sem ser atropelado. É importante pra mim ficar comigo mesmo e rir sozinho das coisas que lembro e imagino. É importante pra mim querer e depois não querer mais, enfim, não é só o mundo que muda. Embora a vida seja uma só, é importante pra mim errar, porque usei esse método quando criança e deu certo. Eu tenho 28 anos, então acredito que o tempo passa e é importante pra mim também deixar as outras coisas passarem.Eu não sei o que é importante pro meu vizinho. Eu não sei o que é importante pra cada um dos habitantes de nosso planeta.
Ah, pouco me importa.