18 de junho de 2009

num tapa


A diferença entre o homem mais poderoso do mundo e um indivíduo qualquer usuário de transporte coletivo pode ser exemplificada através de um ato assassino. Obama matou uma mosca e o vídeo foi visto mais de cento e cinquenta MIL vezes no hetube. Eu já matei umas oitocentas muriçocas no verão passado e, pelo que fui informado, não houve nenhuma repercussão global. Tudo bem, foi de uma agilidade excepcional. Não é pra qualquer um. Mas... vocês já observaram o tamanho da mão de Obama?

Eu não saberia medir o tamanho do impacto ambiental, do desequilíbrio ecológico provocado pela eliminação daquela mosca pelas mãos do homem que deveria dar o maior exemplo. Talvez seja pequeno, mas foi o presidente dos Estados Unidos da América quem matou. Existe toda uma força simbólica. Fico me perguntando se não haveria de ser tipificado como crime ambiental. Não é possível que a única função da mosca no ecossistema seja atrapalhar entrevista de presidente da república. Se crime, quem sabe o Homem fosse parar em Guantánamo...Não é pra reclamar. Já disse a atual miss universo que lá é um lugar "suuuuper divertido".

Mas Obama não é bobo. Esses homens nunca perdem uma oportunidade diante das câmaras. Tem gente pensando que Obama é tranquilão demais, devagar...Foi uma forma então dele responder: não contavam com minha astúcia! Será que na hora de explodir uma bomba atômica lá na Coréia do Norte, sobre a cabeça de Kim Jong-il, ele vai pensar duas vezes? Sei não...acho que temos muito o que aprender com a história dessa mosca. É um comportamento observável. Pode ajudar alguém a traçar seu perfil psicológico. Será que isso indicaria algum componente violento na personalidade do presidente? Não, não. Foi apenas uma mosca. Mas será que quando criança ele não rodava gatos pelo rabo e jogava na parede? Como diria Freud, nada acontece por acaso. É preciso dar uma checada nesse inconsciente. Pobre da mosca. Mas teve um morte honrosa. Não foi qualquer mão, não é?

Fiquei sabendo esses dias que os estudiosos estão mudando a forma de dividir a história. Não estão usando mais Cristo. Agora usam outro nome lá, digamos, neutro. Não gostei da idéia. Mas, ok, ok. Acho que pensaram: se Nietzsche já matou Deus... O que não posso aceitar é que a morte de uma mosca divida o theytube, ou ganhe mais audiência que a morte de John lennon. Não, não. Imagine se tivesse matado um rinoceronte.
Mas por que diabos eu estou falando dessa mosca aqui? Acabou, boa sorte.

ps.: sem o google, eu não escreveria JAMAIS o nome...peraê...Nietzsche.