2 de maio de 2009

Enquanto isso na sala da Justiça...


Eu não ia escrever, simplesmente porque todo mundo já escreveu. Por outro lado, senti que não poderia fugir à minha obrigação moral e ao meu dever como cidadão de compartilhar com o povo brasileiro desse grito de protesto erguido pelo ministro Joaquim Barbosa contra toda essa avacalhação, decorosamente praticada nos átrios da mais alta instância de nosso Poder Judiciário (STF), supostamente dirigida por seu presidente, vossa excelência Gilmar Mendes.
O episódio estimulou meu cérebro a uma profunda reflexão sobre os aspectos psicológicos subjacentes à reação do referido presidente, como também ao ritmo das notícias imposto pela mídia contemporânea.

O primeiro aspecto psicológico diz respeito à risada nervosa de Gilmar Mendes, esboçada imediatamente após o ministro Joaquim acusá-lo de estar ''destruindo a Justiça desse país''. Não é novidade que uma risada dessa natureza é típica de situações feito essa, quando o indivíduo percebe que o elástico de sua máscara rompeu, e ela começa a deslizar suavemente pela face. Imagino que não seja fácil, principalmente para uma pessoa tão poderosa, se ver sem forças para segurar uma simples máscara vagabunda. E olhe que o ministro Joaquim nem se deu ao trabalho de lhe fazer cócegas. Explicando: segundo estudiosos, "sentir cócegas é uma reação de pânico que o homem adquiriu para defender-se, respondendo rapidamente ao perigo. Por isso, gera sempre uma risada nervosa. Quando uma aranha tentava escalar as pernas de um de nossos antepassados, eram as cócegas que o faziam perceber e expulsar o bicho sem precisar entender exatamente o que acontecia".
.
Independente do motivo da risada, ela não ficou bem na mídia. Aqueles dentes pra fora me lembraram Drácula, e eu pensei em convocar os super-amigos (Superman, Batman e Robin, Aquaman, Mulher-Maravilha e os Super-Gêmeos Zan e Jayna ) para combatê-lo. Conforme reza a lenda, os super-amigos estão dispostos a "lutar contra vilões desde longínquas regiões do espaço sideral até as mais profundas águas dos oceanos, em sua batalha pela verdade e pela justiça. Até mesmo Drácula retorna de sua sepultura para desafiar os SuperAmigos!" O que os super-amigos talvez não desconfiem é que, em se tratando de Brasil, o Drácula mora na própria sala da Justiça.

O segundo aspecto psicológico é o efeito das "justaposições abruptas que você encontra no noticiário", palavras do neurocientista António Damásio. Conforme destacado no blog de Pedro Doria, "um novo estudo da Universidade do Sul da Califórnia (USC) demonstrou que emoções ligadas a valores morais precisam de tempo para se desenvolver no cérebro. " Ou seja, se o tempo em que um cérebro fica geralmente exposto às tramas da novela das 8 for significativamente superior ao tempo em que o mesmo cérebro fica exposto a conteúdos de natureza moral, a exemplo da prática da injustiça pela própria Justiça, o mesmo não terá condições de se emocionar moralmente se a coisa se esculhambar de vez no decorrer dos próximos capítulos.

Neurociências e infância anos 80 à parte, eu gostaria de destacar as frases emblemáticas do ministro Joaquim, porque me tocaram:

a)"Vossa excelência está destruindo a Justiça desse país!"

b)"Enganaram-se os que pensavam que o Supremo Tribunal Federal iria ter um negro submisso, subserviente"

Após essas palavras terem realizado o milagre de alcançar resquícios de meu orgulho patriótico, pela primeira vez na minha vida minha mente se reportou ao Hino Nacional após a análise de um episódio político. Confesso que senti um miligrama de orgulho ao perceber sentido no trecho ''verás que um filho teu não foge à luta". O protesto de um negro, filho de pedreiro e de uma dona de casa, que chegou ao posto de ministro do Supremo Tribunal Federal e disse na cara do presidente que ele está DESTRUINDO A JUSTIÇA DO PAÍS, merece, diga-se, nosso reconhecimento.

Quem quiser ver a homenagem, a la Cazuza, ao ministro Joaquim, é só clicar aqui.
Quem quiser manifestar o seu apoio ao mesmo ministro num abaixo-assinado, é só clicar aqui.

Só espero que Edson Gomes não esteja certo ao proclamar que ''a gente precisa de um super-homem (...) para destruir certas manobras organizadas...''

5 comentários:

............ ............ ............ ............ ............ ............ ... Rodrigo Vieira Ribeiro disse...

Taí, uma visão lúcida no meio da escuridão!

Esse é o nosso maior problema Josué! Nós enxergamos.

Nosso segundo maior problema é falarmos o que enxergamos...

Afinal, em terra de cego quem tem olho sofre, é perseguido e fica só.

O bom da internet é que podemos nos juntar e criarmos uma comunidade dos que enxergam para, como no Gueto de Varsóvia, lutarmos pela sobrevivência do bom humor e da justiça.

O que falta no Brasil é um Batmam! Gostei daqui, vou voltar!


Abraços,

Rodrigo
http://acoisaehpessoal.wordpress.com

josue mendonca disse...

concordo Rodrigo..
acho importante fortelecermos essa comunidade de pessoas que gostam de refletir sobre temas sociais...

um abraço

Loirinha disse...

As declarações do ministro Joaquim foram inefáveis devido ao seu teor impregnado de coragem e ética. Mas infelizmente logo será esquecido ( ou nem foi percebido) pela maioria do povo brasileiro.
E o cotidiano da nossa gente prossegue na mesma ingenuidade de consciência.

Bjus e parabéns pelo blog!

tai disse...

Gostei do texto todo colorido (:
E você, você é um gênio!

Usuale disse...

Oi pessoal dia 13 de maio é o dia da Abolição da Escravatura no Brasil e achei um site legal que tráz tudo sobre a Abolição da Escravatura
Aí vai: http://www.estudosweb.com.br/abolicao_escravatura.html