5 de agosto de 2009

fragmentos

Tinha uma velha fumando cachimbo na entrada da escola. Lembro que era uma velha bastante velha porque a cara era de velha mesmo. Bem, talvez fosse uma velha mal cuidada. Naquele tempo não havia tanta coisa pra se botar no rosto como existe hoje em dia. O ano era por volta de 1985 D.C e eu deveria ter uns cinco ou seis anos. O muro de Berlim ainda tava de pé, o Brasil ainda sonhava com o Tetra, meu pai com um video cassete (quantas cabeças?) e com a casa própria, e eu assistia Balão Mágico. Tínhamos uma linha telefônica e uma televisão 14" colorida. Os políticos espalhavam outdoors com mensagens de um futuro próspero. Bem, 2009 - 1985 = 24 anos depois e a cidade, Santa Cruz do Capibaribe, pequeníssima e feia, parece nunca ter acreditado nas promessas. Havia um zarolho que morava em frente de casa, o homem lá da venda da esquina, e alguns amigos de infância. Havia uma menina, gorda e com aspecto de fóbica, que sempre estava na janela de casa quando eu ia pra escola. Finais de semana eu comia rapadura que um amigo de meu pai trazia. Naquela época, inspirados pelo modelo cultural de colecionador de enciclopédias inúteis, descobríamos que o nome científico do sapo cururu era Bufo Ictericus e que o ser humano possuia uma cabeça, dois braços, duas pernas e uma coluna vertebral. Uma certa noite, meu pai me chamou para vê-lo hastear a bandeira nacional em frente à agência bancária onde trabalhava. Até hoje faço um esforço almático (quer dizer, de alma) para, no mínimo, compreender o significado desse símbolo como um animal vertebrado, e com um ser histórico e social. Foi por esse tempo que descobri o radinho de pilha e, consequentemente, Paralamas do Sucesso. Até hoje, apesar dos cds, dvds, true HD, nada foi tão bom quanto descobrir algumas músicas num radinho de pilha grudado no ouvido, com seis anos, esticado numa rede. Meu pai queria sair da cidade talvez na intenção de figurar como um nordestino menos feio e menos pobre. Mudamo-nos. Com sete anos, eu entrava numa nova escola. Novas amizades, uma casa própria e maior, uma rua enorme de barro pra correr e, um pouquinho mais à frente, um Atari e um vídeo cassete. Mas a imagem da velha eu nunca esqueci. Ela nunca falou comigo nem eu com ela. Ela ficava, repito, sentada na escada que dava entrada para a escola. Sempre segurando seu cachimbo e soltando aquelas bolas de fumaça. Aquela senhora era a velhice. A velhice em pessoa. O olhar era quebrado, um pouco amarelado, um pouco profundo. Não sei se esses detalhes são exatamente memórias reais ou coloridas com a imaginação. Mas não foi só a velha que marcou minha memória infantil. Foi a velha e o poço na casa da vizinha. O poço era fundo que não se via o fim. Era um poço feito aquele do final do filme Could Mountain. Só que eu não via água, só um escuro. Às vezes, me pergunto porque essas imagens nunca se apagaram de minha lembrança.

10 comentários:

Fábio Mendes disse...

A velhice se aproxima a passos largos. Neste final de semana lembrei de coisas bizarras como a Caderneta de Poupança rendendo 30% ao mês, a Sunab, fiscais do Sarney, o gibi do Alegria, inflação e dívida externa, entre outras.

Dri Viaro disse...

Oi, estou conhecendo seu blog, e quero lhe desejar uma boa semana.
bjsss

aguardo sua visita :)

Lola disse...

certas coisas marcam e acho que descobrimos o pq lá na frente, talvez. numa outra dimensão.
belo texto. gostoso de ler.
adiante!

Lola disse...

ahhh josué! sua crítica me impulsiona, me anima, me deixa muito feliz! somos pensadores, aborígenes do tempo, observadores do viver... é tão bom saber que existem pessoas assim...por toda parte, na verdade. e se não fosse a internet, talvez me sentisse mais sozinha.
enfim, queria pedir um favor. qual era mesmo o nome de um vídeo muito bom sobre consumismo, meio ambiente e tal? uma moça falando com as ilustrações atrás, sabe? eu vi aqui uma vez, ou era um link pra outro blog, enfim... me passe, se possível, tá?
abração!
de fã pra fã

Luci. disse...

Sensação doce de nostalgia, e do medo da primeira infância também me fascinam até hoje. Você me deu uma ótima idéia, qualquer dia escrevo sobre isso.

Parabéns, adorei o blog.

Lola disse...

obrigada ;)

Anônimo disse...

Anda sem inspiração, meu caro?

Gabi disse...

Fiquei aqui pensando, qual a minha lembrança de infancia que me marca...

I LOVE YOU disse...

AV,無碼,a片免費看,自拍貼圖,伊莉,微風論壇,成人聊天室,成人電影,成人文學,成人貼圖區,成人網站,一葉情貼圖片區,色情漫畫,言情小說,情色論壇,臺灣情色網,色情影片,色情,成人影城,080視訊聊天室,a片,A漫,h漫,麗的色遊戲,同志色教館,AV女優,SEX,咆哮小老鼠,85cc免費影片,正妹牆,ut聊天室,豆豆聊天室,聊天室,情色小說,aio,成人,微風成人,做愛,成人貼圖,18成人,嘟嘟成人網,aio交友愛情館,情色文學,色情小說,色情網站,情色,A片下載,嘟嘟情人色網,成人影片,成人圖片,成人文章,成人小說,成人漫畫,視訊聊天室,a片,AV女優,聊天室,情色,性愛

李小龍Paul disse...

cool!i love it!AV,無碼,a片免費看,自拍貼圖,伊莉,微風論壇,成人聊天室,成人電影,成人文學,成人貼圖區,成人網站,一葉情貼圖片區,色情漫畫,言情小說,情色論壇,臺灣情色網,色情影片,色情,成人影城,080視訊聊天室,a片,A漫,h漫,麗的色遊戲,同志色教館,AV女優,SEX,咆哮小老鼠,85cc免費影片,正妹牆,ut聊天室,豆豆聊天室,聊天室,情色小說,aio,成人,微風成人,做愛,成人貼圖,18成人,嘟嘟成人網,aio交友愛情館,情色文學,色情小說,色情網站,情色,A片下載,嘟嘟情人色網,成人影片,成人圖片,成人文章,成人小說,成人漫畫,視訊聊天室,性愛,情色,日本a片,美女,成人圖片區