24 de abril de 2009

Obama, Disney e o boneco de macumba


O mundo mudou e, hoje, a celebridade internacional que está mais sofrendo com essa mudança talvez seja Michael Jackson, dentro de um possível quadro de crise de identidade racial do tipo "black or white", particularmente, devido ao chamado 'efeito Obama'. Michael, que vive eternamente flutuando na sua Never Land, talvez esteja se perguntando se não teria sido melhor ter continuado com a mesma cor que a mãe natureza lhe dera, ao invés de ter se transformado nessa figura que mais se assemelha a uma boneca de porcelana falsificada chinesa com cabelo de boneco de macumba. Sob uma perspectiva temporal, considerando a pigmentação da pele, podemos dizer que o astro pop se movimentou na contramão da tendência social de ascensão dos afro-americanos. Pra todos os efeitos, é possível dizer que, como símbolo cultural, Michael passou a ser um pato branco se afogando num mar negro afro. O que eu, humildemente, poderia classificar como um nada. Já a Disney, por outro lado, que também adora as criancinhas, embora sob aspectos distintos, não perdeu tempo e já tratou de lançar Tiana, sua primeira princesa negra. Só não entendi porque o nome do filme, onde ela vai atuar como protagonista, teve de ser "The Princess and the Frog"(A princesa e o sapo). Não poderia ser uma rã, pelo menos a título de originalidade?
[ Falando em ficção, essa semana eu tive que explicar à minha sobrinha de sete anos que não combinava ela colocar como sobrenome no Orkut o nome Barbie, já que ela era mulata. Eu disse que combinaria mais Pocahontas. Ela aceitou. O que eu não sabia é que a Disney já havia pensado nela antes de mim...Fico imaginando também quando a Globo vai realmente se globalizar e parar com essa mania elitista de sempre colocar o negro na posição de serviçal nas novelas. Talvez para isso tenhamos que esperar por mais uns duzentos anos. (Tomara que as calotas polares não derretam completamente até lá). ]
Voltando a Obama, os Estados Unidos da América têm seu primeiro presidente negro, com o diferencial de possuir 'a cara da gente', (conforme observado por nosso presidente marolinha). Quando ele falou isso, eu lembrei de um crítica de Norman Mailer, no seu livro "O grande vazio", quando ele disse que os integrantes do Adminstração Bush pareciam qualquer coisa, menos seres humanos. E que a única pessoa que ele ainda salvava era Donald Rumsfeld, apesar de toda polêmica de sua trajetória política. Já Obama, além de parecer um ser humano, tem cara de baiano e carioca, somado ao outro diferencial de ter uma postura corporal encurvada. That's very important. Tanto Nietzsche quanto Niemeyer apreciavam a flexibilidade como sinal de inteligência e a curva como sinal de criatividade, respectivamente. Já Bush, com aquela postura sempre ereta, parecendo um espeto de churrasco, com aquela cara de Coringa pós botox, deu no que deu.
Do mundo da magia do cinema ao mundo da mágica da política, eu acredito tanto na princesa quanto no presidente, embora, talvez, o mais sensato, seria acreditar mesmo que o sapo vai um dia virar príncipe. Se não virar, deixa pra Michael engolir.

9 comentários:

. disse...

Hehe! Gostei muito!

Aliás, a minha teoria de "O fim está proximo",tem a ver com o Obama.
Percebeu que em todos , ou a maioria, dos filmes onde tem tragédias de fim de mundo, e essas coisas todas ai., sempre os EUA tem um presidente negro.
è, crianças...Tá chegando a hora, presidente negro eles já tem!


E Deus o proteja de toda essa "obrigação" de ser o bonzinho.

Sou apolitica e não gosto dessas coisas, Oh!

//saudade de você!//

Jefferson Domingues disse...

"Michael, ..... ao invés de ter se transformado nessa figura que mais se assemelha a uma boneca de porcelana falsificada chinesa com cabelo de boneco de macumba."

Ri demais hahahaha

http://elitedaeuropa.blogspot.com/

WiLL disse...

cada uma do obama q eu vo te fla viu
[ www.ramelaum.com ]

Nei Ken iti Schimada disse...

Obama tem cara de baiano e carioca?
Ele tem cara de lateral esquerdo do Olaria.
Prata da casa.

Abraços!

tai disse...

Me dá uma vontade enorme de não escrever poesia quando eu leio seus textos, eu queria mesmo é escrever coisas engraçadas e inteligentes! Ri demais, principalmente com a descrição do Michael e essa coisa toda das calotas polares. Faz favor de não parar de escrever nunca!

Chantinon disse...

Faz tempo que não passo aqui :)

Eu adoro fazer piadas racistas, sejam com negros ou com portugueses. Com gays também. Por outro lado, a alguns dias, conversando com um casal, só percebi que ele era negro e ela super loira 40 minutos depois de começarmos a conversa.
Também sou fã do Alan Ball, que criou Six Feet Under, onde um casal gay (multiracial) aparece em pano de fundo, simplesmente como um casal, sem firulas, sem mentiras e mostrando como deve ser a realidade dessas pessoas.

Também sou contra as cotas. E achei um absurdo o caso da miss nos EUA que perdeu o concurso por declarar que era contra casamento gay.

Vivemos em um mundo de falsa liberdade. De inversão de valores (e eu não estou falando isso pq o Obama virou chefão, eu até faria campanha para ele, mesmo ele sendo populista). Michael Jackson é o espelho da desarmonia que vivemos. As pessoas não sabem mais o que são e qual bandeira devem defender. Obama usou as armas modernas para vencer... ser pop é tudo hoje em dia, o ruim é que a maioria seguem os exemplos ruins. Alguém ai falou em Lula?

Chantinon disse...

Eu quis dizer que sou contra preconceitos, mas também sou contra ninguém falar... Michael Jackson é um doente. Temos que parar com esse regime de crescimento populacional e consumista.
Aproveitando que falou do Nietzsche, tenho muito medo que ele esteja certo com seu Niilismo.

Abraços

josue mendonca disse...

Chantion, obrigado pela visita. vc sempre agrega.
também concordo que vivemos numa época de dissolução de valores, mas eu nao saberia fazer julgamento de valor. penso que o perigo mora nos extremos, quando vivemos com rígidos valores sufocantes, ou dentro de uma 'liberdade' de ser e pensar que geralmente não passa de uma máscara sobre as verdadeiras práticas de opressão.
Quanto a Obama, acredito muito na poder simbólico. penso que um presidente negro num país como os EUA irá promover, no mínimo, uma esperança ou expectativa de que a mobilização social é possível (e não apenas por critérios de competência individual) mas também através de novos critérios ou novo arranjo no modo com a estrutura social funciona em seus diversos mecanismos e/ou políticas que possam combater as injustiças sociais.
se essa expectativa virar realidade, então poderemos falar em ganho social
e mesmo que a mudança social seja ilusória, num contexto geral, o fato de acreditar, pelos menos já funciona como fonte de motivação pra se buscar alguma coisa na vida....
como eles gostam de acreditar (''em busca da felicidade'')desconfio que não tenha usado Will Smith a toa

Descobrindo Blog disse...

Caramba! Que enxurrada de informações, é dessa água que quero beber todos os dias, pelo menos enquanto a hora deixar.
Puxa você escreve magníficamente bem! Poderia ser jornalista.