27 de junho de 2007

Je ne comprends pas

Pra quem gosta de falar mal do Brasil, como um país onde a Justiça não funciona, é oportuno observar o trabalho da Justiça americana de estender tapete vermelho para as idas e vindas de Paris Hilton em seu desfile entre sua casa e a prisão. De qualquer forma, ela é uma lady e, se da minha competência fosse, emitiria todos os habeas corpus necessários para vê-la fora daquilo que não guarda semelhança alguma com cenários hollywoodianos, mesmo se à sua cela fosse aplicada toda a computação gráfica de "300”. Eu, como cidadão americano, (o Brasil também faz parte da América!) sou totalmente a favor de sua liberação, até porque quero vê-la ainda fazendo muitos filmes, mesmo que sejam películas de 03 minutos e 15 segundos no youtube, porque possui talento indiscutível na arte de interagir, ou melhor, contracenar. É importante também lembrar que (ainda bem) mesmo estando um pouco alta além dos saltos, sua direção perigosa não provocou dano a nenhum paparazzi de plantão. Já ouvi dizer que nos states a Justiça é tão rigorosa que se até o presidente cometer um descuido desses vai preso. A sorte dele é que não existe lei ainda que condene quem age feito bêbado mesmo estando sóbrio, da mesma sorte que seu diploma de nível superior não o deixaria ser deportado pra Guantánamo. Mas, voltando à musa, minha predisposição em escrever esse que seria um “textículo” (não achei termo mais apropriado) de aproximadamente duas linhas era para dizer que, se meu avô estivesse vivo, ele me perguntaria humildemente se Paris Hilton também fica na França. Não por ser um homem ignorante, mas por talvez não compreender a proporcionalidade de fama entre as duas Paris. Meu avô era um veterano de guerra. Foi à Itália e, segundo imaginação de alguns, quase deu um tiro em Mussolini. E eu, aqui, compartilho com ele da mesma confusão. Após todo o bombardeio nos últimos dias da mídia mundial atirando fotos e reportagens da socialite na tela de meu micro, eu não poderia responder-lhe outra coisa a não ser: meu avô, je ne comprends pas, também.

p.s: "je ne comprends pas" = "não estou entendendo bulhufas".




5 comentários:

Rafael disse...

Olá! achei seu blogue no orkut.
Gostei demais do seu post: crítico o suficiente e cômico se não fosse trágico.
Por alguns momentos até pensei que estivesse sendo sarcástico. (O.o) Será?
hheheheheh
=P

Daniel disse...

Olá! Li teu comentário lá no meu Blog - o Anos Insípidos - e agradeço. E o teu Blog é o bicho, cara!

Não posso deixar de dizer também que essa Paris Hilton é uma grande cretina.

Abraços!

Daniel disse...

Ah, e você é baiano, é? Se for, saiba que sou de Feira de Santana, seu conterrâneo.

Kandy disse...

Sou mais inglês que francês, ou seja, mais Shakespeare: "muito barulho por nada".

Ju disse...

nem há o que entender...
aceitar acaba sendo o refúgio inevitável

seu blog está ótimo, como sempre!

bjin